COMO SER MAIS CRIATIVO E INOVADOR SEM PRECISAR SER GÊNIO

Você já se perguntou como ser mais criativo ou criativa?

Eu aposto que sim.

 

Muito além das necessidades das empresas, no mundo de hoje a criatividade se tornou uma necessidade da vida, uma competência para desenhar o futuro.

Mas é nas empresas que mais somos cobrados pela criatividade e pela capacidade de inovar.

Claro!

É fácil entender porque.

Mas antes de continuar lendo dê uma olhada no resumo deste artigo que preparamos para você já saber “de cara” o que irá aprender até o final:

Resumo artigo como ser mais criativo por Daniel Bizon

Se quiser baixar o resumo no seu computador ou celular é só clicar no botão abaixo:

 

Pense comigo:

Imagine que você vive num vilarejo, povoado por 35 pessoas.

Alguns casais se formam e com o passar dos anos eles têm filhos.

Nesse tempo, o povoado aumenta para 60 pessoas.

Depois de algumas décadas, mais e mais crianças nascem e agora vocês todos já somam 82 pessoas.

Mas a horta de vocês continua do mesmo tamanho.

O que vai acontecer?

Vai faltar comida.

E assim, vocês passam a ter que produzir mais comida, em menos tempo.

Para isso, vocês terão que ser criativos.

Enquanto a horta não aumenta, o “clima” tende a ficar tenso, afinal vocês eram 35 pessoas e agora são 82.

A competição pela comida se torna inevitável.

Ninguém quer passar fome.

É mais ou menos isso o que acontece no mundo de hoje.

Além de ter mais pessoas querendo comer, há muitas outras pessoas querendo muito mais.

PORQUE AS COISAS ESTÃO BEM DIFERENTES NO MUNDO EM TERMOS DE COMPETIÇÃO

 

Antigamente, por exemplo nos anos 70 a 80, a competição não era tão intensa por um simples motivo: tinha menos gente vivendo no mundo.

A abertura internacional de mercados e o acesso à informação pode nos trazer a ilusão de que a competição aumentou só por causa da tecnologia e pelo aumento do contingente de empresas competindo.

Mas a verdade é que aumentou mesmo é a quantidade de pessoas disputando os mesmos espaços.

O resto é consequência.

Chegamos hoje num mundo de possibilidades, apesar de ainda existir gente passando fome.

Então você precisa saber como ser mais criativo por estas e por muitas outras razões, que se resumem a “mais gente vivendo no mundo”, querendo se alimentar, querendo viver, querendo se livrar dos seus problemas e realizar sonhos, e em alguns casos querendo parar de passar fome.

Independentemente se você é funcionário de uma empresa/instituição ou dono de um negócio próprio isso vale para todos.

A COBRANÇA PELA CRIATIVIDADE

 

Certamente você se depara com problemas que exigem criatividade no seu dia-a-dia, mas chega num ponto que “trava”.

Trava porque ao mesmo tempo que nossa mente é plástica e adaptável, parece ser governada pela inércia.

A lei do menor esforço impera na hora de pensar e tendemos sempre a pegar o caminho mais curto, principalmente os caminhos já conhecidos.

No caso, o mesmo jeito de pensar de sempre.

Se você é funcionário sabe que a empresa/instituição está sempre falando de inovação e cobrando que você e seus colegas inovem.

Se você é dono do seu próprio negócio, você se sente ainda mais pressionado (a), especialmente quando sua receita cai.

Quem trabalha na área de marketing sabe que precisa ser criativo em cada nova campanha e com a ascensão do marketing digital, os desafios são ainda maiores.

Em áreas técnicas, a criatividade para resolver problemas cada vez mais complexos em cada vez menos tempo é básica.

Por isso, a criatividade não está deixando ninguém escapar.

Ela se revela uma competência universal.

COMO SER MAIS CRIATIVO COM 5 AÇÕES ESPECIAIS

 

Agora vou mostrar 5 ações especiais para saber como ter mais criatividade e aproveitar melhor as oportunidades disponíveis.

Comece aplicando apenas uma delas e vá utilizando as demais à medida que for progredindo:

1 – Force sua mente a pensar por novos caminhos

Engrenagens mentais mostrando como ser mais criativo

Todos temos a tendência de ficar aprisionados em nossa própria mente, bem na hora em que precisamos ser criativos.

Isso acontece porque cada um de nós tem uma visão de mundo própria, uma formação diferente e um jeito de pensar singular, por vezes limitado em sua própria singularidade.

Uma forma de quebrar essa limitação é usando um dos métodos de criatividade mais incríveis que já conheci; os 40 princípios inventivos de Genrich Altshuller.

Para entender veja a imagem e já baixe a tabela original clicando aqui ou no botão azul abaixo da figura a seguir:

40 princípios inventivos para saber como ser mais criativo

 

Agora que você baixou a tabela acompanhe as instruções.

Em cada um dos 40 princípios da tabela há uma anotação oculta.

Para visualizá-las coloque o mouse sobre qualquer um dos 40 princípios e você verá um pequeno texto aparecendo.

Esse texto é uma ou mais de uma dica, de como você deve direcionar o seu pensamento.

Por exemplo, no princípio inventivo número 25 – Autoserviço há duas dicas:

PRINCÍPIO INVENTIVO 25

– Faça com que um objeto ou sistema opere de forma independente executando funções para sí mesmo

– Use recursos, energia ou substâncias desperdiçadas (ou perdidos)

Entenda que você precisa adaptar esse raciocínio e o direcionamento mental do mesmo ao seu contexto.

Na primeira dica, “Faça com que um objeto ou sistema opere de forma independente executando funções para si mesmo”, objeto ou sistema são relativos em cada realidade/contexto.

Na sua situação/realidade, um objeto ou um sistema pode ser literalmente um objeto.

Ou pode ser um conjunto de objetos constituindo um sistema.

Mas também pode ser uma peça metálica, uma máquina, um operador, um dispositivo, um profissional, uma ferramenta, uma loja, uma engrenagem, um serviço, uma consultoria, um recurso virtual e por aí vai.

É você quem deve perceber ou determinar o que é o objeto ou sistema da situação-alvo em que você está buscando uma solução criativa.

Se trata de um raciocínio universal onde o foco é fazer com que algo opere de forma independente.

Já a segunda dica “Use recursos, energia ou substâncias desperdiçadas (ou perdidos) ” consiste em eliminar um possível desperdício ou perda, num determinado objeto ou sistema, seguindo o mesmo raciocínio universal.

Pode parecer complicado, mas se você analisar bem o contexto da sua realidade, não terá dificuldades para encaixar este princípio e todos os demais dentro do seu contexto específico e encontrar soluções bastante diferentes do que sua mente poderia produzir.

2- Descubra o que os clientes buscam afinal

 

Uma das grandes motivações para desenvolver a criatividade é atender clientes com produtos e serviços cada vez mais certeiros.

Para isso, há um ponto de partida crucial que é saber o que os clientes buscam afinal.

Sempre digo na minha palestra sobre inovação e também na palestra de vendas que as pessoas compram essencialmente por 2 motivos:

  • Para acabar com seus incômodos
  • Para realizar sonhos

Então, para saber o que seus clientes buscam afinal e ser inovador (a), você precisa focar nestas duas grandes motivações de compra.

São elas as grandes pistas para desenvolver produtos e serviços viáveis, para desenvolver estratégias de vendas, cartas de vendas e tudo o que seja relacionado à geração e percepção de valor.

Inclusive eu mostrei neste artigo aqui um checklist de perguntas para descobrir incômodos e neste outro um checklist para descobrir sonhos de clientes em qualquer área de negócio.

Pergunte-se:

“O que incomoda os meus clientes? Quais são as dificuldades, dores, aborrecimentos, frustrações, impedimentos, burocracias, medos, riscos, inadequações, fracassos da vida deles? O que não pode acontecer de jeito algum ou o que pode tirar o sono deles à noite? ”

Também se pergunte para explorar os sonhos:

“Qual é a maior transformação positiva que meus clientes desejam? O grande sonho, a (s) grande conquista (s), vantagem, embelezamento, mérito, objeto de desejo, sentimento positivo, aspiração, conquista desejada? ”

3- Entenda bem o problema antes de resolvê-lo

Figura subjetiva remete a como ser mais criativo

Tive um professor que sempre dizia:

“As pessoas querem resolver problemas sem entendê-los direito”

Eu acredito que ele esteja corretíssimo!

Se você não sabe exatamente qual é o problema a ser resolvido, a solução também não será das melhores.

Um erro definitivo de muita gente é não dissecar bem o real problema antes de acionar a criatividade.

Por exemplo:

Uma empresa está com dificuldade de vender.

Ela tem produtos e serviços excelentes, voltados para um público bastante exigente e com alto poder de compra.

Quando essa empresa faz demonstrações gratuitas de seus produtos e serviços, todos ficam encantados.

Mas ela não consegue alavancar as vendas de jeito algum.

Então ela resolve baixar um pouco os preços.

E uma chuva de decepções desaba sobre os otimistas donos, que esperavam um resultado positivo.

Depois de meses de decepções e dinheiro jogado fora, a empresa resolve fazer algo inusitado; aumentar os preços.

Pesquisando a estratégia da concorrência que “mirava” em públicos-alvo semelhantes aos seus, ela descobre que estava cobrando barato demais.

E então a grande surpresa.

Ao elevar os preços as vendas dispararam, a demanda atendida ficou satisfeita e começou a indicar novos clientes trazendo ainda mais demanda.

A confiança foi aumentando, porque finalmente uma sensação de controle e compreensão do mercado instalou-se nesse negócio, que antes sofria em seu próprio limitado universo.

Então vem a pergunta:

O que de fato prejudicou essa empresa por tanto tempo?

Resposta: por desinformação e por falta de pesquisa de mercado, a empresa tinha formulado mal o seu real problema, e com isso “atacava” as causas erradas.

Você pode compreender mais a importância de entender bem o problema antes de agir, nesta excelente explicação sobre uma famosa ferramenta chamada Diagrama de Ishikawa, Diagrama de Causa e Efeito ou Espinha de Peixe (veja excelente explicação aqui).

Lembre-se: todo problema deve ser definido de forma bem objetiva e realista.

Na solução de problemas é comum as pessoas cometerem erros na definição e gastar muita energia em vão.

4- Faça benchmarking e adapte à sua realidade

 

Uma simples forma de acionar sua criatividade, especialmente se você está sem uma boa ideia para começar é ver o que o mercado está fazendo de interessante na sua área, para resolver o mesmo problema que você tem ou para aprimorar algo que seja interessante para você.

Muita gente pode pensar que isso é cópia.

Quem pensa assim de certa forma está correto (a).

É cópia.

No entanto é cópia da ideia central, do princípio, do pensamento matricial.

Você não precisa e não deve fazer plágio de nada obviamente, e nem estou incentivando você a fazer isso.

O que estou dizendo é que você deve fazer benchmarking, buscando as melhores práticas e ideias relacionadas ao seu desafio de criatividade.

Quando comecei a fazer minhas palestras motivacionais assisti a vários palestrantes de todos os níveis que você possa imaginar, brasileiros e estrangeiros.

Eu queria saber como o conceito de bom palestrante estava “enrustido” na mente das pessoas, que tipo de conteúdo estava sendo explorado e como os bons e os maus palestrantes faziam isso.

Li muitos livros de oratória e performance de palco.

Estudei teatro.

Estudei comunicação corporal e verbal.

Fiz uma extensa pesquisa envolvendo comportamento e o sistema de mensagens humanas.

E neste processo aprendi muito.

Aprendi o que fazer, o que não fazer, o que adotar, o que devo evitar, o que devo descartar.

Comecei a partir daí a criar a minha palestra, o meu estilo.

“Quer saber qual é a verdade sobre benchmarking?

Todo bom profissional e toda boa empresa faz.”

E acho que você deve fazer também.

Da mesma forma, antes de lançar o blog Minha Vez de Vencer, onde compartilho meu método de desenvolvimento pessoal para pessoas que querem mudar de vida, também fiz toda uma pesquisa em bons blogs.

Estudei formas de organizar o pensamento, o conteúdo e demandas do meu público alvo, em cada uma das 5 chaves do meu método.

5- Aplique conhecimento que está “engavetado”

Várias faces de como ser mais criativo

Uma interessante forma contra intuitiva de ser mais criativo é pegando aquele conhecimento que você já tem ou aprendeu recentemente, mas que acabou indo para “a gaveta”.

Acredite ou não, uma das coisas mais comuns é conhecimento que foi aprendido, mas não foi aplicado.

A maior parte dos livros instrutivos que as pessoas lêem acabam se enquadrando nesta realidade.

Basta observar quantos livros de negócios, finanças, autoajuda, desenvolvimento pessoal, dentre muitos outros são vendidos nas livrarias físicas e virtuais.

No entanto, pouca gente aplica estes conhecimentos na vida real, no dia-a-dia.

O Brasil, apesar de ter melhorado muito no quesito inovação nos últimos anos, ainda carrega um estigma de muita produção científica (conhecimento), mas pouca inovação (transformação desse conhecimento em utilidade prática).

Veja o que diz esta matéria aqui.

Numa das palestras sobre segurança do trabalho que fiz neste ano de 2017 em uma grande empresa falei sobre a importância de transformar conhecimento em ação.

Veja o vídeo:

Então recomendo que você faça uma lista de coisas que você já sabe na teoria, mas ainda não aplicou na prática.

Tenho certeza que há muitas coisas que você já sabe, mas não aplicou.

Possivelmente há coisas também que nem mesmo você sabe que sabe.

É quando você tem um conhecimento, mas acaba o ignorando pela falta de uso do mesmo.

CONCLUSÃO SOBRE COMO SER MAIS CRIATIVO

 

Se você realizar estas 5 ações especiais é certo que saberá como ser mais criativo (a) em qualquer área de negócio ou de conhecimento.

Mesmo que você esteja fora do mercado de trabalho ou se ainda é bem jovem e está prestes a ingressar também é válido para você.

Acredito que a pressão por mais criatividade irá aumentar ainda mais, pois há mais gente vindo por aí.

A população tende a viver mais e por isso teremos ainda mais gente vivendo no mundo.

É por isso que precisaremos ser cada vez mais geradores de valor, através de nossas criações no trabalho, na sociedade e na vida pessoal.

Eu desejo que você seja a pessoa que sempre quis e que use e abuse da sua criatividade para isso.

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *